Febre: tire suas dúvidas


Febre não é doença, mas um sintoma que pode significar desde um simples resfriado a uma infecção grave. Os recém-nascidos, principalmente, devem ser logo medicados, para não correr riscos de desidratação ou convulsão. No caso das crianças maiores, algumas medidas podem adiar o remédio. Ou até mesmo evitá-lo.

Temperatura acima de 37º significa febre.
ERRADO. A temperatura normal do corpo varia entre 36,5º e 37,5º. Só acima de 38º é que passa a ser considerada febre.

Se a testa da criança estiver quente, não é necessário colocar o termômetro para confirmar a febre.
ERRADO. Pelo tato, não se consegue distinguir uma temperatura entre 37,2º e 38,3º e, portanto, saber a hora de entrar com o medicamento.

Passar uma esponja embebida em álcool no corpo faz baixar a febre.
ERRADO. O álcool tem um calor específico muito alto, que acaba passando para a criança, além de poder haver intoxicação. Melhor dar um banho (morno) ou envolver o bebê em um lençol úmido, por alguns minutos. Fazer uma compressa com gelo nas axilas, virilhas e testa também dá ótimos resultados.

A febre é mais perigosa nos recém-nascidos do que nas crianças maiores.
CERTO. Um bebê de um mês com febre de 37,8º deve ser logo levado ao médico. Devido à fragilidade de seu sistema imunológico, mesmo que não apresente nenhum sintoma, ele pode estar seriamente doente e desidratar em pouco tempo. Acima dos quatro meses, alguns sintomas já aparecem – nariz entupido, coriza, diarréia – facilitando o diagnóstico. Depois de três anos, se a febre não trouxer outras complicações e não passar de três dias, não é necessário procurar o pediatra.

Até os 37,8º não se dá antitérmicos.
CERTO. Este estado, chamado de subfebril, pode ser revertido apenas com o banho morno. Oferecer um antitérmico, nesta situação, pode levar à hipotermia aguda, ou seja, a temperaturas abaixo de 36º.

Só é necessário procurar o pediatra se a febre passar de 38º.
ERRADO. A febre é apenas um sintoma, que deve ser observado com atenção. Avalie o estado geral da criança, sua disposição para brincar, seu humor. Dependendo do quadro, procure o pediatra.

Uma criança com febre alta pode ter convulsões.
CERTO. Normalmente de origem hereditária, acontece somente com 5% delas e na faixa de idade entre seis meses e dois anos. São tremores incontroláveis que podem durar apenas alguns segundos. Caso seu filho tenha tido convulsões antes, observe para que a temperatura não ultrapasse os 38,5º.

Não há o que fazer diante de uma convulsão, além de esperar que passe.
ERRADO. Logo que acontecer, deite a criança em um local plano e retire seu agasalho. Verifique se ela tem alguma bala ou chiclete na boca e jogue fora. Vire sua cabeça para o lado, de forma que não sufoque, caso venha a vomitar. Ligue imediatamente para o médico.

Uma criança febril deve ficar em casa e na cama.
ERRADO. Não é necessário que ela permaneça deitada o tempo todo, mas convém não se agitar muito. Dependendo da causa da febre e do próprio temperamento, as reações podem variar: algumas crianças continuam brincando normalmente; outras ficam mais abatidas. Quanto a sair na rua, não existe impedimento, desde que não haja uma mudança brusca de temperatura. Nem calor, nem frio excessivos do lado de fora. Deve-se evitar, também, ambientes fechados. Mas, atenção: quem está com doenças contagiosas, como catapora, cachumba, rubéola ou sarampo, precisa ficar isolado para não transmitir a doença.

Deve-se agasalhar o bebê para baixar a febre.
ERRADO. O bebê necessita fazer a troca de temperatura com o meio e não manter a febre no corpo. Recomenda-se, inclusive, ligar o ar refrigerado, tendo o cuidado de colocar uma bacia com água no quarto, para conservar a umidade do ambiente.

Durante a febre, quanto mais líquido, melhor.
CERTO. A ingestão de água, sucos, leite e gelatinas serve para repor o líquido perdido através do suor, além de baixar a temperatura do corpo. A amamentação não deve ser interrompida também. Em caso de vômitos ou diarréia, entre com o soro caseiro ou o que é vendido nas farmácias. E muito cuidado com a desidratação. Se notar que o bebê está com a boca e os olhos secos, urinando pouco e muito apático, leve-o imediatamente para o hospital.

Lembre-se sempre que a febre é apenas um sintoma. Ela não é nossa inimiga, muito pelo contrário, ela ajuda a estimular o sistema imunológico. Lógico que temperaturas altas devem ser tratadas com medicamentos ou com algum método auxiliar citado acima. Porém, não cometa excessos para baixar a febre, pois isso pode acabar fazendo a temperatura da criança baixar demais e o quadro clinico da criança piorar.

O que é importante é o estado geral da criança e não a febre. Se a criança está com febre e brincando, ativa, sorrindo... com certeza a febre é decorrente de uma doença sem gravidade. Porém, se nos intervalos da febre a criança encontra-se abatida, boca seca, atirada no seu colo, significa quadros de doenças mais sérias que necessitam imediata avaliação do médico.

Procure o seu médico sempre que necessário. Somente ele poderá avaliar melhor o quadro e tranquilizar os pais.
Postar um comentário