Prós e Contras da Natação na Primeira Infância


Algumas escolas de natação admitem alunos com apenas três meses de idade. A prática, aceita por alguns especialistas, baseia-se na crença de que quanto menor for a criança, mais fácil sua identificação com a água, por lembrar intuitivamente da vida uterina. Na prática pode surgir algumas complicação. Otites consecutivas, ansiedade dos professores e pais em verem seus bebês nadando e a fragilidade da criança aos três meses de idade, são algumas das contra-indicações.
Por outro lado, os especialistas aconselham a prática para crianças com mais de seis meses. Nesta idade, o bebê já enxerga melhor, percebe o próprio corpo e já tomou as primeiras vacinas de imunização, estando assim mais resistente a infecções. Especialistas afirmam que o bebê só aprende a nadar após os dois anos, antes disso os seus movimentos são apenas reflexos. A natação na primeira infância é aplicada para desenvolver a capacidade respiratória e psicomotora e não para fazer a criança aprender a nadar. No caso de crianças alérgicas, com tendência à bronquite ou rinite, a natação é altamente recomendada, pois ensinará à criança a respirar melhor e desenvolver o tônus muscular.
De qualquer forma, antes de matricular seu bebê numa academia, vale conversar com o pediatra e avaliar os prós e contras da prática. A qualidade dos serviços prestados pela academia também deve ser avaliada com atenção. O item higiene é vital, pois uma piscina sem manutenção adequada pode servir de vetor para inúmeras doenças para a criança.
Postar um comentário