PIODERMITES

Abordaremos de forma resumida algumas infecções de pele mais comuns que tratamos em consultório médico.

FOLICULITE:

É a uma infecção superficial do folículo piloso, caracterizada por pústula circundadas por halo eritematoso. A topografia mais comun inclui as extremidades e as áreas submetidas à fricção (roupas justas), mas também costuma ocorrer na face. É mais frequente nos climas quentes e úmidos.

  • Etiologia: o agente mais frequente é o Stafhylococcus aureus, mas também pode ser causada por Estreptococos beta-hemoliticos do grupo A ou bacilos Gram negativos.
  • Manejo: Higiene adequada, usando sabonetes anti-septicos-septicos com triclosan, clorexidina ou polvedine, durante a fase aguda. Evitar roupas sujas e de tecido sintético. Usar antibióticos tópicos (a base de neomicina, ác. fusídico, mupirocina, gentamicina,etc) quando houver prescrição de seu pediatra ou dermatologista.

FURÚNCULO:
Furúnculo

Furúnculo é a infecção aguda da unidade pilossebácea, caracterizada por nódulo (núcleo) inflamatório que evolui para supuração (expelir puscentral. Localizam-se mais freqüentemente em áreas com maior números de folículos pilosos, submetidas a fricção e transpiração abundantes. A eclosão de múltiplos furúnculos chama-se furunculose.
  • Etiologia: Sthaphylococcus aureus.
  • Manejo: Manter cuidados de higiene adequados, não manipular as lesões na fase inicial. Aplicar calor local seguido de drenagem cirurgica das lesões, após flutuação (presença de pus) central. Utilizar antibióticos tópicos (neomicina, gentamicina, mupirocina ac. Fusídico) nas lesões abertas, quando prescritas pelo pediatra ou dermatologista. Quando as lesões forem múltiplas ou em casos de recidivas freqüentes, realiza-se cultura do material e utiliza-se antibioticoterapia sistêmica de acordo com o antibiograma. Utiliza-se antióticos tópicos nas narinas, para diminuir a colonização pelo S. aureus, principalmente nos casos recidivantes. Pesquisa-se e trata-se também estafilococoses em familiares.

IMPETIGO:
Impetigo na  face

Infecção cutânea superficial, caracterizada pelo aparecimento súbito de lesões vésico-bolhosas que evoluem para erosões recobertas por crostas meicéricas.
  • Etiologia: principalmente os estreptococos beta-hemolíticos do grupo A. Quando o Staphylococcus aureus é o agente causal, assume aspecto bolhoso, sendo esta a etiologia do impetigo neonatal.
  • Manejo: Enfatiza-se a necessidade de uma boa higiene, promovendo o rompimento das bolhas e a remoção das crostas. Utilizar sabonetes anti-sépticos, bem como compressas com solução de Tiersch para amolecer as crostas. Aplicar antibiótico tópicos nas lesões e nos orificios naturais. Utilizar antibióticoterapia sistêmica nos casos graves, recorrentes ou de localização facial: penicilina G benzatina, eritromicina ou cefalosporinas, nos casos em que o agente etiológico for o S. aureus. Promover a hospitalização nos casos de impetigo neonatal extenso. Investigar e tratar dermatoses que possam ter dado origem ao impetigo (escabiose, pediculose, eczemas, etc).

Ectima
ECTIMA:

Lesão ulcerada, recoberta por crostas hemato-melicéricas, lçocalizadas principalmente no terço inferior das pernas. Desnutrição e diabétes melitus são fatores predisponentes e as lesões surgem quase sempre onde houve traumatismo prévio ou impetigo não tratado adequadamente.
  • Etiologia: os agentes etiológicos mais frequentes são os estreptococos beta-hemolíticos do grupo A.
  • Manejo: controlar doenças predisponentes. Fazer a higiene com sabonetes anti-septicos, promovendo a remoção das crostas e o desbridamento das lesões. Antibióticos sistêmicos, semelhantes ao utilizados para outras piodermites.

Celulite Coxa
CELULITE/ERISIPELA:

Celulite é a infecção aguda, que atinge o tecido celular subcutâneo e estende-se pelos vasos linfáticos, com envolvimento dérmico mínimo ou ausente. Caracteriza-se por sinais inflamatórios de dor, calor, hiperemia e edema da região afetada, acompanhados de calafrios, febre, mal estar e vômitos. A criança costuma estar agudamente doente, necessitando as vezes de hospitalização. Se o tratamento não for precoce, pode ocasionar septicemia.
Erisipela
Erisipela é a forma superficial da celulite, envolvendo a derme e as porções superiores do tecido subcutâneo. 
A porta de entrada para a infecção pode ser uma ferida operatória, o umbigo de um recém nascido, uma simples abrasão superficial ou disseminação, por via linfática, de uma otite. Alguns fatores predisponentes, tais como obstrução linfática crônica ou doenças debilitantes de base, favorecem o aparecimento destas patologias.
  • Etiologia: principalmente os estreptococos beta-hemolíticos do grupo A, seguidos pelos S. aureus e H. influenzae.
  • Manejo: Repouso, compressas frias de solução de Triesch aliviam os sintomas locais. Antibióticos sistêmicos, sendo a Penicilina a droga de escolha na maioria dos casos. Nos casos mais graves, a penicilina pode ser administrada por via endovenosa e no esquema de tratamento pode associar-se a clindamicina. Os pacientes alérgicos à penicilina podem tomar eritromicina nos casos ligeiros ou então clindamicina nos casos graves. Para a celulite causada por estafilococos, o médico pode receitar dicloxacilina; para as infecções graves, pode prescrever oxacilina ou amoxicilina.
Fonte: Manual de preparação para atualização em pediatra da Sociedade Pediatria do Rio Grande do Sul 2001, Dra Lizete M. M. Meinhardt.
Postar um comentário