Antitérmico e Vacina para Influenza

Devido a um grande número de dúvidas, em meu consultório, sobre a administração ou não de paracetamol para reações eventuais da vacina H1N1, publico este artigo da Sociedade Brasileira de Pediatria, ele é esclarecedor e conclusivo.


Antitérmico e Vacina para Influenza

A ocorrência de reações adversas às vacinas é comum e reconhecida como possível e esperada. Para a vacina empregada na campanha de vacinação contra H1N1 do Ministério da Saúde a situação não é diferente: espera-se que a vacina contra H1N1 cause reações adversas em 3% dos vacinados. Segundo a fabricante, as reações mais comuns para esta vacina são febre, dores de cabeça, cansaço, reações no local de aplicação, dores musculares e em articulações.
Existe a possibilidade de uma maior frequencia de reações adversas após a segunda dose da vacina. Para o tratamento de reações vacinais em geral, não está contra-indicado o uso de analgésicos e antitérmicos. Todos os antitérmicos disponiveis podem ser fornecidos sem risco de diminuição da imunogenicidade a vacina Particularmente o paracetamol é seguro para ser fornecido no tratamento das reações febris pós-vacinais, assim como os outros antitérmicos utilizados na pratica diaria como Ibuprofeno e Dipirona.
De acordo com o documento de referência do próprio fabricante da vacina contra H1N1, o paracetamol é o medicamento sugerido para tratamento destas reações, inclusive em crianças. 
A administração profilática de medicamentos analgésicos e antitérmicos, no momento da aplicaçao das vacinas, ou antecedendo a vacinação não esta indicada atualmente pelo possivel risco de diminuição de imunogenicidade das vacinas.
Esta recomendação vale também para todos os antitérmicos utilizados . Entretanto a utilização de analgésicos para alivio de reação adversa após a vacina não apresenta contra-indicação.

Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria/informes técnicos.


Postar um comentário